Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Revitalização de APPs é iniciada na Rodovia BR-429/RO

Publicada 11/12/2015

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) executou através do Consórcio Astec/Direção/MRS, por meio da Supervisão Ambiental da Rodovia BR-429/RO, o acompanhamento e orientação do processo de Revitalização de Matas Ciliares – APP’s iniciado pela Empresa Vereda Engenharia Ltda., conforme o Plano de Controle Ambiental (PCA) da Rodovia BR-429/RO.

Iniciado na última semana, no Igarapé Sossego (UTM 20L 563.894-8.729.789) em atenção ao período chuvoso na Região, o procedimento visa à recomposição das formações ciliares. Cada colaborador da Empresa Vereda Engenharia Ltda. recebeu o treinamento adequado, fornecido por equipe técnica especializada formada por bióloga, engª ambiental, eng° civil, eng° agrônomo, doutor em Entomologia e apoio dos operários, a fim de que se tornem multiplicadores do conhecimento adquirido, formem equipes e dêem continuidade ao procedimento. O trabalho englobou todas as etapas do processo, sendo: quebra de dormência das sementes; preparo das covas; aplicação dos componentes orgânicos e minerais e posterior plantio das mudas. Também cabe destacar que para o serviço estão sendo reutilizados copos e garrafas pet, devido à preocupação com o acúmulo de resíduos no meio ambiente.

A muda inaugural foi plantada pelo engenheiro responsável pela Empresa Vereda Engenharia Ltda., Adelino Eduardo Moreira, como demonstrativo. De acordo com estudos realizados anteriormente, oPrograma de Revitalização das APP’s desenvolvido pelo Consórcio Astec/Direção/MRS prevê para a recomposição da mata original, o plantio de espécies nativas nos rios que cortam a Rodovia BR-429/RO, como: Cacau (Theobroma cacao); Açaí (Euterpe oleracea); Pau de balsa (Ochroma pyramidale); Ipê (Tabebuia), entre outras. Também haverá o controle de gramíneas, para que não prejudique o desenvolvimento das árvores. Cerca de mil mudas serão plantadas em cada ponte, com o objetivo de efetuar a recomposição florestal de forma eficiente, uma média de 250 por quadrante.

É importante frisar que as Áreas de Preservação Permanente (APPs) são protegidas por lei. Todas as formas de vegetação nativa concorrem à sustentabilidade, aliada à melhoria da qualidade de vida da comunidade, portanto, proteger o meio ambiente é dever de todos.



Voltar