Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

A Rodovia BR-429/RO ganha tons cor-de-rosa no mês de Outubro

Publicada 07/10/2015

O movimento conhecido mundialmente como “Outubro Rosa” começou nos Estados Unidos, na década de 1990 com o objetivo de estimular o envolvimento de toda a população no controle do câncer de mama. Visando à difusão de informações sobre o tema, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) motivou ações em prol do Movimento Outubro Rosa, desenvolvidas pelo Consórcio Astec/Direção/MRS por meio dos Programas de Educação Ambiental e Sanitária (PEAS) e Comunicação Social (PCS) no município de Alvorada do Oeste/RO.

A ideia é que o foco do mês de outubro seja a necessidade de prevenção contra o câncer de mama, mas que esse propósito não seja esquecido ao longo dos outros meses do ano. Para tanto, durante a Campanha “Outubro Rosa”, coordenada pela Técnica em Enfermagem Adriana Alves de Araújo e a Auxiliar de Campo, Laurenai Nantes, e executada por toda a equipe do PEAS, foram distribuídos adesivos e laços cor-de-rosa para a população, por meio de blitz educativa e visita a estabelecimentos educativos e comerciais do município de Alvorada do Oeste/RO. Compreendendo a importância da iniciativa, homens e mulheres aderiram à Campanha, sensibilizando-se com a causa.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o câncer de mama é o segundo tumor mais incidente nas mulheres da Região Norte. Porém, é considerado de bom prognóstico pelos especialistas, ou seja, caso seja descoberto e tratado desde o início, as possibilidades de cura são grandes. Infelizmente, a realidade observada no Brasil é outra. A taxa de mortalidade referente ao câncer de mama ainda é elevada. Possivelmente, devido à procura por médicos e exames acontecer apenas quando as suspeitas já existem, facilitando a ocorrência de piores diagnósticos, já em estágios avançados da doença.

Os cuidados dependem primeiramente de você! O câncer de mama tira a vida de aproximadamente 520 mil mulheres todos os anos no mundo. Uma boa parcela dessas mulheres poderia ter um caminho diferente. Não seja mais um número triste nas estatísticas. Consulte um médico regularmente e faça exames periódicos. Essa luta é a favor da vida!

Com informações de: INCA/Oncoguia



Voltar