Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

A preservação da água é o foco de projeto desenvolvido em Alvorada do Oeste/RO

Publicada 05/05/2015

Na última semana do mês de abril/2015, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) realizou por meio do Consórcio Astec/Direção/MRS, responsável pela Gestão e Supervisão Ambiental da Rodovia BR-429/RO, através dos Programas de Educação Ambiental e Sanitária (PEAS) e Comunicação Social (PCS), atividades em referência ao encerramento do “Projeto Água”, executado pela gestão da E.M.E.I.F. Branca de Neve, localizada no município de Alvorada do Oeste/RO.

Por tratar-se de público infantil, a abordagem utilizada foi a de teatro de fantoches, onde os personagens “Jorginho e sua turma” explicavam para as crianças a importância da preservação da água, os riscos da poluição e os perigos que águas contaminadas podem trazer, como: acarretar uma série de doenças e causar a morte de seres humanos e animais que dela dependem.

A presença da equipe do PEAS foi solicitada pela própria instituição de ensino, devido aos resultados positivos obtidos com outras campanhas promovidas no local. A fim de abranger o máximo de alunos possível, a atividade foi desenvolvida nos períodos matutino e vespertino com as turmas do Pré I e II e 1° e 2° anos do Ensino Fundamental I (turmas de alfabetização).

Durante o encerramento do Projeto, lembrancinhas em formato de gota de água com informações sobre a necessidade da sua preservação foram entregues aos alunos, que posteriormente fizeram registros fotográficos com a equipe e os fantoches utilizados durante a apresentação.

Vale lembrar, que a questão da água é emergencial. A Agência Nacional de Águas possui legislação específica (vide links no rodapé da matéria), porém, o Novo Código Florestal pode afetá-la diretamente, considerando que prevê alguns retrocessos no que diz respeito à preservação do meio ambiente, como a redução e descaracterização das APPs  - Áreas de Preservação Permanentes.

A probabilidade de aumento nos casos de inundações e desabamentos é iminente, além da ameaça à premissa básica das áreas de preservação permanente: preservação de fauna e flora aquáticas e terrestres, manutenção climática, controle da demanda biológica de oxigênio e diversos outros fatores que necessitam de uma área mínima razoável para que o frágil equilíbrio ecossistêmico seja mantido, segundo a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público.

Citando a nossa própria Região do Vale do Guaporé, os rios também correm risco. Mesmo o de maior proporção, o Rio Guaporé, que banha os Estados de Rondônia e Mato Grosso com cerca de 1.749 km de extensão, pode ser prejudicado, visto que, a diminuição das áreas de APP colocam à mercê a qualidade e a quantidade das águas, provocando a escassez das mesmas, a longo prazo.

Para uma preservação ambiental satisfatória, é preciso contar com todos os setores da sociedade, inclusive com a participação das crianças, a fim de que reconheçamos o valor que o meio ambiente possui e lutemos pelo aperfeiçoamento da legislação ambiental.

 

Entenda mais, verificando os links:

Para acessar a cartilha do Ministério da Agricultura sobre o Novo Código Florestal, acesse: http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/camaras_setoriais/Hortalicas/26RO/cartilhaCF.pdf

Para conhecer a Política Nacional das Águas, acesse: http://www2.ana.gov.br/Paginas/institucional/SobreaAna/legislacao.aspx

Para saber mais sobre a legislação ambiental vigente, acesse:

www.mma.gov.br

www.ibama.gov.br



Voltar