Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Notícias

Campanha “Outubro Rosa” é realizada no município de Alvorada do Oeste/RO

Publicada 10/10/2017

O mês de outubro já é conhecido mundialmente por seus tons de rosa. E a causa é justa. O movimento “Outubro Rosa” teve início nos Estados Unidos, na década de 1990 com o objetivo de estimular o envolvimento de toda a população para o controle da incidência do câncer de mama. No Brasil, a iniciativa partiu de um grupo de mulheres, em 2002, e foi marcada pela iluminação rosa do Obelisco do Ibirapuera, em São Paulo, no dia 2 de outubro.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA), o câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres em todo o mundo, depois do de pele não melanoma. Estatísticas indicam aumento nos índices tanto nos países desenvolvidos, quanto nos em desenvolvimento. Atualmente, o câncer de mama responde por 28% dos casos novos registrados de câncer entre mulheres, a cada ano.

Assim, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), realizou a Campanha “Outubro Rosa”, através do Consórcio Astec/Direção/MRS, por meio dos Programas de Educação Ambiental e Sanitária (PEAS) e Comunicação Social (PCS).

A equipe do PEAS visitou o comércio local de Alvorada do Oeste/RO, distribuiu chaveiros com laços cor-de-rosa, enfatizando o tema da Campanha e sensibilizando a população do município para essa causa tão importante.

O INCA estima 60 mil novos casos todos os anos referentes ao câncer de mama, em mulheres cada vez mais jovens. Porém, o mês de Outubro tornou-se referência na luta pela prevenção e tratamento. Segundo oMinistério da Saúde há um crescimento de 35% na realização de exames, que passou de 3 milhões, em 2010, para 4,1 milhões em 2016. Portanto, repasse essas informações, faça os exames e consulte um médico periodicamente. Quanto mais cedo o diagnóstico, mais chances de cura. Vista-se de rosa e apoie a causa! Essa luta é de todos nós! 

 

Com informações de: INCA/Ministério da Saúde



Voltar